SAMU Regional Bragança comemora 1 ano de funcionamento

Na manhã dessa sexta-feira, 1º, em meio a bexigas, salgados, refrigerante, bolo e até velinha, houve uma comemoração pelo aniversário de um ano do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) Regional, cuja sede do serviço está instalada em Bragança Paulista.

Participaram da reunião a coordenadora geral regional do Samu, Rosângela Gonçalves, a vice-prefeita e secretária de Educação, Huguette Theodoro da Silva, a secretária municipal de Saúde, Estela Gianesella, o vereador Juzemildo Albino da Silva, além de representantes do Corpo de Bombeiros, Guarda Municipal e demais funcionários do serviço.

Antes dos discursos, Rosângela explicou ao Jornal Em Dia que, nesse primeiro ano de Samu, foram 33.886 atendimentos em toda a região. Desses, mais de 15 mil foram feitos apenas em Bragança. A coordenadora do serviço detalhou que a proporção de habitantes dos municípios abrangidos pelo Samu também corresponde aos atendimentos realizados. “Bragança Paulista representa 45% da população geral atendida pelo Samu. Dos atendimentos realizados, 45% foram feitos em Bragança também. É interessante observar isso”, exemplificou.

A base de Bragança conta com 70 profissionais, que trabalham em plantões de 12/36 horas. A equipe conta com técnicos auxiliares de regulação médica, médicos, rádio operadores, enfermeiros, técnicos de enfermagem e condutores socorristas. Três viaturas, sendo duas de atendimento básico e outra de atendimento avançado, estão à disposição na base bragantina. De acordo com Rosângela, outras duas viaturas, uma de atendimento básico e outra de atendimento avançado, já estão sendo disponibilizadas pa-ra Bragança e devem chegar em breve, até para possibilitar que o Samu não pare por conta de eventuais serviços de manutenção que sejam necessários.

A coordenadora geral regional do Samu ressaltou que o número de atendimentos vem crescendo, consideravelmente, especialmente durante o dia. Se essa situação se mantiver, ela estima que precisará contratar uma quarta equipe. Para cada viatura, segundo explicou Rosângela, são necessários cinco profissionais de cada área, a fim de suprir os plantões 12/36. “Precisamos de um que trabalhe nos dias pares de dia, outro que trabalhe nos dias pares à noite, um terceiro que trabalhe nos dias ímpares de dia, outro que trabalhe nos dias ímpares à noite e o folguista. É interessante explicar porque, muitas vezes, as pessoas não têm a dimensão do serviço, dos profissionais que estão trabalhando para que o serviço seja oferecido”, relatou.

O Samu foi inaugurado no dia 29 de fevereiro de 2012. 11 municípios integrariam a regional. Porém, Socorro e Pinhalzinho desistiram e as viaturas que estavam destinadas a esses municípios acabaram indo para Atibaia e Bragança. Rosângela contou, entretanto, que o novo prefeito de Socorro já demonstrou interesse em integrar a regional e agora isso será analisado pelo Ministério da Saúde.

Antes da inauguração do Samu havia um impasse na questão financeira do serviço, que, de acordo com a coordenadora, foi resolvido. Os municípios que integram o serviço iriam repassar R$ 0,91 por habitante ao mês ao Samu, o que era insuficiente. Rosângela contou que após uma explanação sobre a situação e a necessidade desse valor ser de R$ 1,04, houve a concordância das cidades envolvidas e até elogios da Regional de Campinas pela argumentação apresentada pela equipe de Bragança Paulista. Além desse valor, há um repasse mensal de R$ 101.500,00 por parte do Ministério da Saúde.

A coordenadora do Samu contou ainda que a Regional de Bragança alcançou a habilitação para o serviço e que busca agora a qualificação. Quando ela for alcançada, o repasse do Ministério da Saúde será 60% maior.

Para alcançar a qualificação, algumas alterações foram promovidas na base de Bragança, como o tratamento acústico na sala da Central de Regulação, a construção de um tanque para a higienização das pranchas e de um desprezador de dejetos. “Nada é eliminado no esgoto sem tratamento. São quesitos a mais para a qualidade do serviço”, disse a coordenadora Rosângela.

A próxima etapa agora é esperar que as bases do Samu de outras cidades também façam adequações exigidas pelo Ministério da Saúde. Então, uma documentação será juntada e encaminhada ao ministério para análise e aprovação.

Elogios à Regional de Bragança Paulista também foram feitos por outras unidades do serviço pelo controle de gestão que é feito, considerado modelo para outros Samus. “Temos um controle muito bem feito do que é gasto”, destacou Rosângela.

Por fim, a coordenadora do Samu disse que desde 2009 trabalha no projeto para instalar o serviço na cidade e região. Contou que há 26 anos atua no serviço público e que foi para o setor de Saúde após perder um filho. “Sei da importância do serviço de urgência com segurança, com qualidade e com técnica. Tenho paixão pela urgência, o trabalho de urgência me deu sentido de vida, me fez e faz todos nós que trabalhamos aqui repensar no bem maior que é a vida. Estar no Samu é apaixonante, me enche de orgulho e de responsabilidade”, afirmou Rosângela Gonçalves, adjetivando sua equipe como muito dedicada.


COMO FUNCIONA O SERVIÇO

O funcionamento do Samu se dá da seguinte forma: quando alguém liga para o 192, seja de Bragança Paulista ou de algum dos outros oito municípios (Atibaia, Bom Jesus dos Perdões, Joanópolis, Nazaré Paulista, Pedra Bela, Piracaia, Tuiuti e Vargem) abrangidos pelo serviço, a chamada é recebida na Central de Regulação, que funciona em prédio próximo a UPA (Unidade de Pronto-atendimento) Bom Jesus, na região da Hípica Jaguari.

Um técnico auxiliar de regulação médica atende a ligação e anota informações básicas, como qual o tipo de ocorrência, endereço e quantidade de vítimas envolvidas. Um médico regulador vai, então, analisar a situação e determinar se o caso se enquadra em atendimento do Samu ou se deve ser atendido por outro serviço de saúde. Caso se enquadre no Samu, esse médico vai determinar qual viatura vai atender ao chamado, se a de suporte básico ou avançado, e quais profissionais se direcionarão para a ocorrência. Enquanto isso, o rádio operador identificará qual a viatura mais próxima do fato e vai acioná-la.

Ao chegar ao local da ocorrência, os profissionais do Samu entrarão em contato com a Central de Regulação novamente, informando qual a situação encontrada. Dependendo da gravidade e do número de vítimas, mais profissionais podem ser deslocados ou forças de segurança podem ser requisitadas, para isolamento da área, por exemplo. Após o primeiro atendimento, o Samu leva a vítima a hospitais ou santas casas da cidade e região.


EQUIPE DO SAMU SE DIZ FELIZ PELO ANIVERSÁRIO DO SERVIÇO

Vários profissionais que integram a equipe do Samu Regional de Bragança Paulista registraram sua satisfação pelo aniversário de um ano do serviço. Declarações como a de que agora dão mais valor à vida, que se sentem úteis à sociedade e que a experiência é única como ser humano e como profissional marcaram os discursos.

A coordenadora Rosângela afirmou que tem muito orgulho de trabalhar com a equipe do Samu, pois os profissionais que nela atuam fazem a diferença nas suas próprias vidas e na vida dos outros. Ela ainda agradeceu o apoio da atual administração e das instituições parceiras, como o Husf (Hospital Universitário São Francisco), a Santa Casa de Misericórdia de Bragança Paulista e as Santas Casas das cidades da região.

O comandante do sub-grupamento do Corpo de Bombeiros de Bragança Paulista, capitão PM Ulisses Doratiotto de Oliveira, falou da satisfação em ter o Samu como parceiro, destacando que não são concorrentes. Ele parabenizou pela atenção e dedicação de todos os profissionais e atestou a grandiosidade do Samu para a região.

Em nome da Guarda Municipal, Chrispim disse que as corporações são parceiras na preservação de vidas e que o maior patrimônio da cidade são as pessoas que nela vivem. Ele parabenizou a equipe do Samu por esse primeiro aniversário e disse que era uma honra ser parceiro do serviço.

O vereador padre Juzemildo observou que quando o governo federal instalou o Samu na região se preocupou em dar dignidade à população. Ele parabenizou e agradeceu a equipe pelo trabalho e pediu que eles façam o serviço com amor, como se estivessem fazendo para si mesmos.

A secretária municipal de Saúde, Estela Gianesella, contou que a gestão de Fernão Dias recolocou Rosângela na coordenação do Samu porque sabia de sua competência. Ela elogiou a garra e a vontade dos profissionais da equipe e afirmou que gostaria que toda a rede municipal de Saúde tivesse essas qualidades. “Gostaria que a rede toda tivesse essa riqueza, essa mentalidade, porque a população iria ganhar muito”, declarou.

A vice-prefeita Huguette registrou que para desenvolver o conhecimento é preciso desequilibrar, citando Jean Piaget. Huguette participou da simulação de catástrofe, realizada pelo Samu no ano passado, e disse que gostou de ver a união do grupo. Ela também destacou que o uniforme do Samu tem uma função muito forte, pois iguala a todos e que os profissionais socorrem as pessoas pelo fator vida, sem saber de quem se trata. A vice-prefeita ainda ressaltou o alto astral da equipe e disse que a dedicação pela vida do outro, a preocupação com a coletividade que eles têm deve ser copiada.

Contando que levava a todos um abraço carinhoso do prefeito Fernão Dias, Huguette contou que não imaginava que um mês fizesse tanta falta. “O mês de janeiro está fazendo muita falta”, disse, registrando sua felicidade por estar presente na comemoração e dizendo esperar que muitas outras conquistas possam ser comemoradas pelo Samu Regional de Bragança Paulista.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...